segunda-feira, 30 de julho de 2012

A Lua, seus Ciclos e as Mulheres



/




             




A Lua e a menstruação
                                Autor: José Laércio do Egito



" Embora a ciência oficial não reconheça, nem por isso deixa de existir uma forte ligação entre a Lua e a mulher, a qual deixou de sentir a interação entre a sua menstruação e as fases da Lua, como resultado de um ardil estabelecido contra o feminino. Hoje as mulheres vivem repletas de queixas orgânicas, psíquicas preocupantes, e para se curar de inúmeros distúrbios não será por meio do uso apenas de remédios, bem mais que isso ela precisa reintegrar-se com a natureza em geral e com a Lua em especial.
Não se pode negar que a Lua exerce uma ação muito grande sobre vários elementos da terra. Não é somente sobre o mar, produzindo marés. Existe o chamado princípio físico da capilaridade que controla o fluxo líquido em tubos capilares. Tudo o que depende de irrigação capilar, sofre influencia da Lua, pois ela não tem ação somente sobre a macro-maré (oceano), mas também nas micro-marés (fluxos capilares).
O mecanismo que faz com que a seiva de um vegetal flua para cima é regido pelo principio da capilaridade. É por isso que a Lua interfere tanto na terra. Se não houvesse o efeito da Lua, o mecanismo de capilaridade, de fluxo de seiva seria totalmente diferente e com certeza o mundo vegetal seria diferente, composto por outro tipo de flora; consequentemente tudo aquilo que depende das formas vegetais conhecidas seriam influenciadas. Sem a Lua não haveria maré, e sem maré o ritmo do vento seria diferente, assim toda a vida manifesta biologicamente na terra seria drasticamente afetada. A menstruação é um processo que envolve vasos capilares (micro artérias e veias), portanto sujeita aos princípios físicos que regem a capilaridade. Naturalmente a gravidade lunar interfere nesse processo do qual a menstruação tem a ver diretamente. Essa é uma explicação física, mas há outros processos em nível de energia que nesta palestra declinamos de descrever.

Na verdade o organismo produz hormônios que agem sobre a circulação genital, em especial a ovariana e uterina; agem sobre a micro circulação genital e disso resulta um conflito muito grande, por um lado a substancia química provocando, por exemplo, uma dilatação, enquanto por outro a Lua provocando uma vaso constrição. É bem diferente quando as duas ações estão em sincronia.
Diante do que escrevemos; a mulher deve estabelecer uma sincronização do seu organismo com as fases da Lua. Para isso há vários meios, talvez o mais simples seja o estabelecimento de um diálogo constante com a Lua, falar com ela, vê-la com carinho, admira-la; cante canções que falam do luar; escute música relacionada, permaneça algum tempo exposta a sua luz. Converse com ela, aja como se ela fosse sua confidente. Na verdade talvez essa comunicação não ocorra como algo objetivo, mas o propósito é condicionar a mente a interagir de acordo com a fase da Lua. Nenhum aparelho pode registrar que um diálogo seja assim estabelecido, mas indubitavelmente a mente começa a atuar de conformidade com o rito lunar. Mesmo que o mecanismo de atuação seja imaginativo, seja um processo de condicionamento mental, não faz diferença, não importa se se trata de uma ocorrência objetiva, pois o que realmente interessa que seja efetiva, mesmo que se trate de algo se é algo objetivo, ou mesmo sugestivo, ocorre. O que é significativo é a ocorrência de um condicionamento mental atuante.
Na fase crescente, procure imaginar seu útero aumentando suavemente de volume, sua menstruação ocorrendo na fase da Lua Cheia, que independentemente do processo que determine isso a mente que comanda as funções orgânicas, o fluxo menstrual vai se regularizando progressivamente. Quando a imagem da Lua for diminuindo, visualize o útero também diminuindo.

Por certo que a pessoa com essa prática não vai sentir o efeito nos primeiros meses; a dissintonia que existe na maioria das mulheres é um processo demorado de ser solucionado, pois precisa ser quebrado aquilo que por anos e anos foi sendo estabelecido. Romper com um processo “cristalizado” não acontece rapidamente. Mas, com a persistência o efeito será notável; chegará o momento em que o organismo estará plenamente sincronizado com as fases da lua.
Assim como na crescente a imagem lunar vai se ampliando, o mesmo também irá ocorrendo com o endométrio, para iniciar o processo menstrual nos dias da Lua Nova. Ver a Lua como se ela fosse se esvaziando – minguando – e o mesmo ocorrendo em seu organismo, que algo está se exaurindo dele (energia espúria). Esse processo necessita tempo, mas após poucos anos seu ciclo estará totalmente em sincronia com a fase da lua, por certo a menstruação ocorrerá na lua cheia, sua saúde ginecológica será ótima e a menopausa sem problemas. No passado, em especial nas culturas nativas, a menstruação era uma atividade fisiológica com ciclo exato de 28 dias (ciclo lunar) e a menstruação ocorria precisamente na Lua Nova. Na medida em que a mulher perdeu o vinculo com a Lua, a sua menstruação se tornou aleatória, irregular em freqüência em duração, e isso é causa de muitos distúrbios ginecológicos, e de outros sistemas orgânicos, em especial no campo psíquico.

Não estamos afirmando, mas também não estamos negando, que esse processo de sintonia seja determinado fisicamente por alguma força física da Lua. Para as pessoas comuns, é mais fácil aceitar que seja uma decorrência de um condicionamento puramente mental. Não se pode negar que o mental pode facilmente ser condicionado, o organismo tem os chamados reflexos condicionados; muitas funções podem ser condicionadas, e essa interação entre a mulher e a Lua também o pode ser. Certos exercícios podem atuar como efetivadores de reflexos orgânicos, e no caso em estudo, regularizando o ciclo menstrual e, consequentemente, corrigindo muitos distúrbios.
Entre as mulheres vem sendo desenvolvida uma repulsa tão grande à menstruação, que muitas estão provocando através se hormônios uma amenorréia (falta de menstruação). O resultado é previsível, elas pensam que ficam livres do incômodo físico, na verdade isso acontece, porém a um altíssimo custo. Elas ignoram que com essa prática vão se tornando um “poço” de problemas orgânicos, de distúrbios cada vez mais sérios, em especial na área mental, um processo crescente de neurotização ou o que é pior de cancerização.
A Lua não atua sem o Sol, há necessidade de plena interação entre esses dois astros, de igual forma a mulher não atua plenamente sem o homem. Masculino e feminino são polaridades de uma mesma condição. Na união das polaridades está o Infinito, na verdadeira união entre o masculino e o feminino está o equilíbrio infinito.
Há muitos outros exercícios para a regularização da menstruação. Há outros complementares, e até mesmo básicos para o restabelecimento da interação entre a mulher e a natureza.
Avante, tenham coragem, invistam no processo de sua libertação, reconquistem o poder feminino que lhe usurparam. Você, minha amiga, lembre-se, é representante da Mãe Natureza.
Os lenhadores sempre afirmaram que a madeira cortada em período de lua cheia facilmente era atacada por insetos, por isso para a obtenção de madeira resistente eles só abatiam arvores em “noite escura” – período de lua nova. Os botânicos diziam que isso não tinha fundamente, que era superstição apenas, mesmo que a pratica mostrasse o inverso. Depois foi a própria ciência quem descobriu a razão. No período de lua cheia os capilares que conduzem a seiva se dilatam e assim muitos alcalóides podem ascender pelo caule. Quando a arvore é derrubada nessa fase há mais desses alcalóide e consequentemente mais alimento para insetos, tais como o cupim, por exemplo. Assim mais facilmente a madeira é preferida pelos insetos devoradores."

2 0 0 6 - 3 3 5 9
T E M A 1.6 



A Lua

                O ano solar e as oito celebrações ligam-nos com o fluir sazonal do ciclo a Terra. Enlaçado no ano solar está o mês lunar, com aproximadamente 29 dias. Consoante a Lua, na sua órbita, gira em torno da Terra, as suas qualidades reflexivas rezem receptividade e assimilação. A Lua influencia a água do planeta e dos nossos corpos, afetando o ciclo de ovulação nas mulheres e animais, os padrões de crescimento dos plantas e os padrões de migração das aves. A sua força de gravidade é tão poderosa que provoca duas marés cheias diariamente.
                O alternar do crescer e minguar da Lua, durante o seu ciclo, também influencia a natureza a do nosso inconsciente, das nossas emoções, dos estados de espírito, sentimento e percepção. O seu ciclo influencia-nos muito mais profundamente do que a maioria de nós está ciente.                                                                                                       (adaptado de Gleinnie Kindred)

As Fases da Lua
Como usufruir a força das Fases da Lua

Lua Nova (de 0º a 45º)
Sol e Lua nascem juntos no Leste, ou seja o Sol, a Lua e a Terra estão alinhados. A Lua é invisível, encoberta na claridade ofuscante do Sol.
A Lua Nova é a transição da morte do velho ciclo ao nascimento de um novo ciclo. A Lua Nova é ativa e incita a percepção de uma nova atitude emocional. Pode tornar-se um momento de vulnerabilidade e dúvida. A energia desta fase relaciona-se com a visão, interior e exterior do novo a ser gerado. É necessária uma ação visionária. Momento de invocar e expressar a INTENÇÃO.
É a Lua dos Mistérios, da Morte e do renascimento, do oculto, das finalizações e dos inícios. A Lua Nova é uma oportunidade de estar recolhido e introspectivo
A Lua e o Sol em conjunção acentuam a atração gravitacional sobre a Terra e formam Marés Altas. Simboliza a semente debaixo da terra. 
Lua Germinante (de 45º a 90º)
 Receptiva e Deliberativa. Relaciona-se com o desenvolver de recursos para proteger e sustentar a visão e metas geradas na fase Nova.
Nasce ao meio a manhã e põe-se depois do pôr do sol e a energia desta fase é estimulada pelo instinto, a vontade de continuar e pelos sentidos do paladar, do olfato e do tato.
Esta Lua enraiza intenções e traz crescimento. Simboliza o germinar da semente.
Lua Crescente/ Quarto Crescente (de 90º a 135º)
Traz crescimento e atividade. Nesta fase a Lua nasce ao meio dia e põe-se à meia noite.  É a Lua que é vista a tarde, no Hemisfério Sul em forma de “C” e o oposto no Hemisfério Norte. 
A Lua Crescente é o momento de tensão, propício para o amadurecimento das idéias, dos sentimentos e das atitudes. Hora de colocar os projetos em prática. O quarto Crescente é Ativo e Impetuoso. Tem a ver com o definir a individualidade do gerado.
Quando Sol e Lua estarão em quadratura, diminuem-se os efeitos conjuntos de gravitação provocando as Mares Baixas. Simboliza o broto saindo da terra.
Lua Convexa (de 135º a 180º)
A fase Convexa é Passiva e Receptiva. Simbolizando o botão, esta Lua é tempo de expressão através dos sentimentos.

Nasce antes do pôr do sol e põe-se antes da alvorada. É o momento de celebrar a plenitude do ciclo, que está chegando ao ápice.
Lua Cheia (de 180º a 225º)
Tempo de celebração e expressão externa. Traz mudança, revelação, altas emoções, energia elevada e noites sem sono. Simboliza a flor e o florescimento.
Nasce ao pôr do sol e põe-se ao nascer do sol. Um dia antes da Lua Cheia, no fim da tarde ou um dia depois ao amanhecer é possível ver os dois luminares no Céu. Na Lua Cheia, a oposição com o Sol, faz que se juntem as forças gravitacionais provocando como a Lua Nova as chamadas Marés de Águas Vivas.
A fase Cheia é Ativa e Integradora. Tem a ver com a tomada de consciência, a cooperação e o compartilhar. Inicia-se aqui a morte do ciclo.
Lua disseminante (225º a 270º)
Nasce a meio da noite e põe-se ao meio da manhã. Traz auto-avaliação, introspecção, sabedora e experiência.
É a fase de ganhar perspectiva. Durante esta fase Disseminadora partilha-se a visão com o maior número possível de pessoas. Simbolizando o fruto, esta Lua é o tempo da Madurez.
Lua Minguante (270º a 315º)
A Lua Minguante nasce à meia noite e se põe ao meio dia, com o Sol no meio do Céu. É visível durante todo este período, em forma de “D”, no Hemisfério Sul e "C". no Hemisfério Norte.
Simbolizando a colheita e a morte que dá espaço a nova vida, esta Lua traz mudança e reflexão interior.
Lua Balsâmica (315º a 360º)
É receptiva e libertadora. Nasce antes da alvorada e põe-se a meio da tarde. Simbolizando o composto, esta Lua é tempo de TRANSFORMAÇÃO.
Momento ideal para banir o que já não serve,  libertar-se do passado, para começar um novo ciclo com consciência e clareza.

Lua Negra
A Lua Negra é o período de três dias que precede a Lua Nova,  quando não se vê a Lua no céu. Simbolizando o Vazio, durante esta Lua é tempo de comunicar-se com os guias, exaltar o lado intuitivo e de compreender e assimilar a sabedoria interior.






PAI NOSSO em ARAMAICO


O Pai-Nosso é sem dúvida alguma o mantra mais utilizado pelos cristãos, principalmente nas situações em que se quer a paz, quando há dificuldades na vida, nos momentos de medo e em outras diversas situações. Conheça o Pai-Nosso original, em aramaico:
Abwun d’bwashmaya

Nethqadash shmakh

Teytey malkuthakh

Nehwey tzevyanach ayakanna d’bwashmaya aph b’arha.

Hawvlan lachma d’sunqanan yaomana.

Washboqlan khaubayn (wakhtahayn) aykana daph khnan shbwoqan l’khayyabayn.

Wela tahlan l’nesyuna

Ela patzan min bisha.

Metol dilakhie malkutha wahayla wateshbukhta

l’ahlam almin.

Ameyn.

Eis uma possível tradução do original em aramaico, de autoria de Neil Douglas Klotz:
Ó, força procriadora! Pai-Mãe do cosmo,

Focaliza tua luz dentro de nós, tornando-a útil.

Crea teu reino de unidade, agora.

O teu desejo uno atue então com o nosso, assim como em toda luz e em todas as formas.

Dá-nos todos os dias o que necessitamos em pão e entendimento.

Desfaz os laços dos erros que nos prendem, assim como nós soltamos as amarras com que aprisionamos a culpa dos nossos irmãos.

Não permitas que as coisas superficiais nos iludam

Mas liberta-nos de tudo o que nos detém.

De ti nasce toda vontade reinante,

o poder e a força viva da ação,

A canção que se renova de idade

a idade e a tudo embeleza.

Verdadeiramente – poder a esta declaração –

Que possa ser o solo do qual cresçam

todas as minhas ações. Amém.




Estudo das palavras mântricas do Pai-Nosso/Mãe-Nossa original
Aramaico = Abwun d’bwashmaya.
Bíblico = Pai nosso, que estais no céu.

A palavra abwun se divide em quatro partes:

a – a eternidade, unidade, o mantra al, usado no som Alá ou Alaha, significa “um” (a unidade).
bw – nascer, luz, criação ou bênção.
u – energia da totalidade.
n – força que movimenta a vida.
A palavra d’bwashmaya se divide em duas partes:

shm – aquilo que brilha, luz, vida.

aya – luz que brilha em todos os lugares.
Interpretação:
Alma absoluta de luz criadora de tudo que se move, que se ouve, que está dentro e fora de nós por toda a eternidade.Unidade criadora, sua luz resplandece em nós e em tudo que há na mãe-pai do cosmo.
Aramaico – Nethqadash shmakh.

Bíblico – Santificado seja o Vosso nome.
Nethqadash – curvar o coração ao sagrado ou a alma interior (Vem daqui a palavra judaica kosher, que significa sagrado).

Shmakh (shm) – luz do coração ou do interior.

Possível tradução:
Prepare-nos para recebermos sua luz, clareando o nosso sacrário interno,

levando luz para todas as partes.

Aramaico – Teytey malkutakh.

Biblico – Venha a nós o Vosso reino.

Teytey – venha, preencha minha intimidade.

Malkutakh – reino interno, um dos nomes da Grande Mãe no Oriente Médio, casa da rainha ou da deusa.
Interpretação:

Venha, através do nosso desejo mútuo de união, abraçar os ideais justos do nosso planeta, da Grande Mãe Terra. Eleja unidade e individualidade (sem divisão).
Aramaico – Nehwey tzevyanach aykanna d’bwashmaya aph b’arha.

Bíblico – Seja feita a Vossa vontade, assim na terra como no céu.
Tzevyanach – desejo de coração (algo além do mental), propósito, compaixão (o preceito maior do budismo).

Ayakanna – consciência, desejo da alma.

Arha – a Terra como ser vivo, planeta gerador, não algo para ser explorado ou dominado; igualdade entre animais, plantas, água, terra, ar, etc.; o tratar bem nossa casa.

Shm – luz.

Aya – qualquer lugar.
Interpretação:

Que o seu mais eterno desejo de compaixão e tolerância para cada forma de vida seja

também a nossa trilha de consciência. Ao entrarmos em contato com a sua consciência,

formaremos uma nova criação.
Aramaico – Hawvlan lachma d’sunqanan yaomana.

Bíblico – O pão nosso de cada dia nos dai hoje.

Hawvlan – produção, geração humana, criação com alma e vida.

Lachma – pão e compreensão, alimento da alma, paixão.

Chma – possibilidade, poder gerador.

Sunqanan – iluminação, ninho, consciência, geração.

Yaomana – Sabedoria, entendimento
Interpretação:

Produza em nós a compreensão/iluminação para dividirmos o pão (alimento) que a terra nos

proporciona, não exigindo dela mais do que necessitamos. Dê-nos a sabedoria para sentirmos

a terra que nos rodeia e sustenta.
Aramaico – Washboqlan khaubayn (wakhtahayn) aykanna daph khnan shbwoqan l’khayyabayn

Biblico – Perdoai as nossas ofensas assim como nós perdoamos a quem nos tem ofendido.

shbwoqan– voltar à sua essência.

(Wa) Shboqlan – voltar ao estado original, restabelecer-se.

Khaubayn – energia interna, fruto negativo.

Khtahayn – erro, insucesso.

Ayakanna – a transformação deve ser feita na mente e no coração.


Interpretação:

Apague de minha alma aquilo que me leva para a inconsciência para que eu volte ao meu estado original, esquecendo assim meus erros, frustrações e culpa. Alivie a nossa carga para que possamos nos sentir livres.

Aramaico – Wela tahlan l’nesyuna ela patzan min bisha.

Bíblico – E não nos deixeis cair em tentação mas livrai-nos do mal.

Wela tahlan – não deixar seduzir-se pelas ilusões, pelo que é falso, pelo ego.

Nesyuna – agitação interna, tentação no sentido de perder-se na mente.

Bisha – ação imprópria, imaturidade (no hebraico: erro, mal).

Patzan – libertar-se, desapegar-se (a verdade, a sua verdade, o libertará).
Interpretação:

Que eu aprenda a olhar além das aparências, liberte-me de ilusões e da estagnação interna

que me limita. Não nos deixe penetrar na ilusão, livre-nos da falsidade.
Aramaico – Metol dilakhie malkutha wahayla wateshbukhta l’ahlam almin. Ameyn.

Bíblico – Vosso é o reino, o poder e a glória, agora e para sempre. Amém.


Alguns pesquisadores e estudiosos acreditam que esta parte não tenha integrado a oração (mantra) de Jesus. A versão bíblica de Mateus a contém, mas não a de Lucas. Para a versão aramaica, ela é um fechamento que torna o mantra absolutamente completo. Portanto sugiro que medite nela.

Metol – Nascimento, poder, força criadora

Dilakhie – local de grande felicidade, de abundância, campo fértil.

Malkutha – voz interna (“eu posso”), eu eterno.

Hayla – força de vida, energia produtiva, sustento.

Teshbukhta – som divino, canção mântrica.

L’ahlan almin – de tempos em tempos, passando de geração a geração para a eternidade.

Ameyn – palavra de juramento no Oriente. Pode ter se originado da palavra egípcia ament, que significa mistério da vida, morte e renascimento, apontando para os mistérios da criação/criaturas.


Interpretação:

De sua abundante energia produtiva surge toda força, todo som divino, toda criação, que passa por todas as gerações. Amém. De sua força vital, que produz vida e sustenta a vida em cada criatura, planeta e tempo de geração a geração. Amém.





Eis outra possível tradução do Pai-Nosso, adaptada por mim do texto em aramaico

original para sua reflexão e meditação:


“Energia absoluta de luz, Deus Mãe, Deus Pai,

Criadora de tudo o que se move, se ouve, se vê.

Tudo o que está dentro e fora de nós

Inunda o nosso santuário interno, torna nossa luz útil.

Dá-nos tua energia para que possamos levar tua luz para todas as criaturas.

Vem, através do nosso desejo, criar idéias coletivas para o nosso planeta, para o cuidado da Grande Mãe.
Que o teu mais profundo desejo de compaixão e amor para cada forma de vida seja também o nosso.

Produz em nós a sabedoria para dividirmos o pão que a terra proporciona, sem exigirmos mais do que necessitamos e a iluminação para compartilhar essa sabedoria.

Que eu volte ao meu estado original, apagando minhas frustrações e meus erros, perdoando minhas limitações.

Que eu aprenda a olhar além do ilusório, libertando-me da superficialidade e analisando o que sou realmente.

De tua energia vital nasce toda criação, vida, som, força, que produz e sustenta o cosmo e faz desta uma verdade, de geração a geração.

Ameyn – Que possamos confiar na eternidade.”





Em minhas práticas meditativas e formações, tenho também utilizado para refletir e meditar a versão da tradução ocidental do Pai-Nosso, comparada com outra tradução do aramaico. Reflita a respeito:

Bíblico Aramaico
Pai nosso, que estais no céu

Alma absoluta de unidade que a tudo criou dentro e fora de nós, Mãe e Pai do cosmo
Santificado seja o Vosso nome

Prepare-nos para nos fundirmos em sua luz, clareando nossa alma e levando consciência e luz para todas as partes

Venha a nós o Vosso reino

Venha seu desejo mútuo de tolerância e união que abraça todos os desejos de nossa casa externa e reino interno da Mãe e do Pai
Seja feita a Vossa vontade assim na terra como no céu

Que seu desejo de compaixão e tolerância seja nossa trilha de consciência

O pão nosso de cada dia nos dai hoje

Produza em nós a compreensão/iluminação para dividirmos os alimentos entre todos e dê-nos sabedoria para comungarmos com a Terra
Perdoai as nossas ofensas assim como nós perdoamos a que nos tem ofendido

Apague de minha alma tudo o que me leva para a inconsciência, para que assim me sinta sempre liberto
E não nos deixeis cair em tentação mas livrai-nos do mal

Liberte-me de ilusões, falsidades, julgamentos e estagnação da alma
Vosso é o reino, o poder e a glória, agora e para sempre

Que de sua infinita energia abundante surja toda força, todo som sagrado, toda criação que passa de geração em geração.
Ameyn



As Plantas e seus poderes



1. Palmeira de Bambu : Elimina formaldeído e também atua como um umidificador natural.
2. Espada de São Jorge: Serve para absorver os óxidos de nitrogênio e formaldeído.
3. Palmeira: Uma das melhores plantas para purificação e limpeza do ar em geral.
4. Planta Aranha: Grande planta de interior elimina o monóxido de carbono e outras toxinas e impurezas. Também elimina formaldeído do ar.
5. Lírio da Paz: Poderíamos chamar de "limpeza de tudo." Frequentemente são colocados no banheiro ou lavanderia, uma vez que são conhecidos na remoção de bactérias e fungos. Também é conhecido na eliminação de formaldeído e tricloroetileno (um hidrocarboneto clorado comumente usado como solvente industrial ).
6. Gérbera: No solo estas maravilhosas flores eliminam o benzeno do ar, são conhecidas por melhorarem o sono ao absorver dióxido de carbono e emitirem mais oxigênio durante a noite.



Respiração Alternada - Pranayama Nadi Sodhana






O nāḍī śodhana prāṇāyāma promove o bhūta śuddhi, nomeadamente a purificação do corpo sutil. Revigora o sistema nervoso e melhora o rendimento intelectual e desenvolve as faculdades mentais. É tradicionalmente considerado o prāṇāyāma mais importante. É o único citado na Śiva Saṁhitā .





O nāḍī śodhana prāṇāyāma é vulgarmente conhecido como a respiração alternada. A sequência base deste prāṇāyāma é feita da seguinte forma:
- Colocar as mãos em Jñāna Mudrā, viṣṇu mudrā, nasagra mudrā ou outro;
- Obstruir a narina direita ou preferencialmente logo acima da narina bloqueando a passagem do ar;
- Inspirar (puraka) pela narina esquerda (respiração completa);
- Trocar a narina em atividade, obstruindo agora a narina esquerda;
- Expirar (recaka) pela narina direita;
- Continuar o prāṇāyāma inspirando pela narina direita e assim sucessivamente.


- Mudar o lado depois de sentir o movimento da energia; começar bloqueando a narina direita e inspirando pela esquerda, alternar quantas vezes achar preciso.Prticar todos os dias por alguns minutos.
Trecho do Artigo "nāḍī śodhana prāṇāyāma" de Miguel Homem, publicado na edição 09 Verão 2006




E depois, que tal aquecer o resto do corpo com um Surya Namascár - a Saudação ao Sol ! Olha o esquema abaixo que bacana !




                                                               www.cadernosdeyoga.com.br

A respiração se relaciona com nossas mais diversas dimensões. Ela reage e responde à nossa situação emocional, à dinâmica de nosso corpo físico, às inquietudes e aos silêncios de nossa mente e até à nossa realidade espiritual. Ela escuta a todas essas nossas realidades e, observar como ela percebe e responde a cada fenômeno nosso pode ser, por si só, um meio de iluminação, um meio de libertação da consciência, de todos os medos e limitações.
Pode-se começar por experimentar o relacionamento com ela em assuntos que nos são próximos e cotidianos, para, mais tarde, entrar em contato com suas dimensões mais amplas e profundas. Para isso, aqui vão dez dicas inspiradas em técnicas da “Terapia da Respiração”:
.1) Deite-se confortavelmente, com as mãos sobre o diafragma e inspire por 6 vezes, deixando o ar descer para a parte baixa do pulmão, a barriga deve crescer quando o ar entrar e diminuir quando o ar sair.
Em seguida, por mais seis respirações, leve as mãos sobre as costelas e, após constatar que o ar chega na parte baixa da respiração, deixe que ele expanda o espaço entre as costelas, ampliando a respiração inter-vertebral
Por mais seis respirações, inspire enchendo num primeiro momento a parte baixa do pulmão, em seguida deixe a respiração intercostal se expandir, e por último deixe o ar ocupar, dentro do possível sem esforço, a parte alta dos pulmões, enquanto você levanta ligeiramente os ombros. Na expiração, comece a esvaziar o pulmão primeiro pela parte baixa, depois, a região intercostal e por último a região alta do pulmão.

Esse primeiro exercício é preparatório.
2) Agora, uma respiração para quando você estiver precisando tomar decisões rápidas na vida. Essa respiração tem uma capacidade de limpeza de radicais livres, além de diminuir a dispersão e aumentar o reflexo da percepção. É um ritmo respiratório de grande capacidade de vitalização.
Nesse exercício, toda a ênfase é dada à expiração, que deve acontecer de uma vez só e pelo nariz; a inspiração será no ritmo natural do corpo:
Fique de pé, com os cotovelos flexionados. Inspire sem pressa, levantando lateralmente os dois cotovelos e expire energicamente, expulsando o ar de uma só vez. Faça o exercício continuamente por três minutos.
Se você for fazer todos os dias poderá, depois de quatro dias, aumente um minuto a cada dois dias, podendo chegar chegar até a dez minutos diários.
3) Esta respiração, calmante, tem a intenção de devolver o reflexo espontâneo do diafragma. Ela é excelente para asmáticos, mas também, para pessoas excessivamente controladas ou controladoras, que gostariam de ser mais espontâneas e relaxadas.
O ritmo será o oposto da anterior:
Expire o mais lentamente que puder e, depois, deixe o ar entrar em seu ritmo espontâneo e natural. Se, ao final da expiração, você ainda perceber algum ar inerte na parte baixa dos pulmões, acabe de exauri-lo sem pressa, antes de voltar a inspirar. Você pode praticá-la de cinco a vinte minutos por dia.
4) Essa dica agora vale para pessoas que sofrem de insegurança excessiva. Serve também para quando você precisar fazer uma entrevista de emprego e ficar apreensivo na sala de espera por não saber o que encontrará pela frente.
Pode ser feita em qualquer local, silenciosamente, e até andando, mas não exagere. Pratique-a no máximo dez minutos por dia, ou você correrá o perigo de se transformar numa pessoa excessivamente controlada:
Inspire por quatro segundos, prenda por dezesseis, e solte o ar em oito. O  tempo de prática dela é livre, e deveVocê pode praticá-la de cinco a dez minutos a cada vez..
5) Essa respiração vale para se você estiver querendo ter mais prazer sensorial naquilo que faz:
Inspire pela boca, com ela bem aberta. Na expiração, também pela boca, deixe uma saída mínima de ar por entre os lábios enquanto estufa as bochechas para fora. O ar deve sair com muita pressão, enquanto você deixa toda sua energia vir para a periferia do corpo. Recomenda-se fazer cinco minutos pela manhã e cinco pela noite.
6) Agora uma respiração calmante, indicada para casos de insônia:
Deixe os olhos voltados para uma luz azul, seja uma lâmpada azul ou com uma gelatina azul à frente de uma lâmpada comum (lâmpada de quinze wats)
Inspire pelo nariz enquanto imagina a luz entrando até o centro de seu crânio, expire pela boca enquanto traz a luz azul toda para a testa. Faça por cinco minutos a cada dia, antes de dormir..
7) Outra respiração calmante, também indicada para casos de insônia, mas também muito boa para preparar-se para a meditação:
Essa respiração é particularmente preparatória para os métodos de recuperação da visão através de meditação.
Sente-se frente a uma vela. Na inspiração abra os olhos com o mínimo de esforço possível. É como se as pestanas fossem varrendo o ar à sua frente e com isso, levando as pálpebras consigo. Na expiração, feche os olhos e leve a atenção pra a região localizada sete dedos abaixo do seu umbigo. Imagine um buraco negro aí, que absorve e consome toda sua energia.
A inspiração pode ser natural, e a expiração lenta. Esta pode ser feita de sete a vinte minutos por dia, de preferência, à noite..
8 ) Essa respiração é preparatória para o processo de recuperação de acuidade da audição pela meditação;
Inspire pelo nariz, com as duas palmas das mãos tampando os dois ouvidos (sem pressão). Expire pela boca, com as duas mãos destapando os ouvidos e fazendo um movimento circular, que começa com os dedos das duas mãos abrindo espaço entre si e se encontrando atrás da cabeça, avançando em seguida por cima dela até chegarem à testa com as palmas nas têmporas. Em seguida, as palmas voltam a ficarem sobre os ouvidos em nova inspiração. Faça por três a cinco minutos por dia..
9) Esta é uma respiração de limpeza emocional, indicada para quem passou por rompimentos afetivos recentes,
De pé, com os pés paralelos, com um espaço de dois palmos e meio entre eles. Os braços esticados para frente com as mãos espalmadas, voltadas para frente.
Inspire enquanto arqueia o corpo, o peito indo para frente e a cabeça para trás. Os dois braços vêm vindo até os lados do peito, como se seu corpo fosse um arco, e seus braços estivessem puxando uma flecha. Quando o pulmão estiver totalmente cheio, deixe o ar sair de uma só vez, como se fosse uma descompressão de ar comprimido, enquanto os braços se atiram à frente e o arco se desfaz, como se a flecha tivesse sido atirada. Faça por três a dez minutos por dia.
.10) Esta última respiração é um complemento da anterior, também trata de limpeza emocional, mas atinge camadas mais profundas, que foram removidas pela anterior, e agora serão removidas. Ela é indicada não apenas para quem passou por rompimentos afetivos recentes, mas também por perdas emocionais de qualquer tipo, como mortes de entes queridos, uma vez que ajuda a dissolver a raiz do trauma e a digerir a experiência, eliminando fantasmas.
Ela também é ótima na função de anti-oxidante, ajudando a eliminar impurezas inertes nas células e em todos os tecidos da região abdominal.
Este exercício pode ser feito de pé ou deitado, com os dois pés plantados no chão.
Inspire profundamente e exale todo o ar. Prenda a respiração com o pulmão vazio e, enquanto está sem ar, puxe e solte repetidas vezes o baixo abdomem para dentro. Quando não agüentar mais ficar sem ar, segure a respiração presa por mais alguns segundos ainda, e, volte a inspirar novamente.

Esta última é prática avançada própria para quem está gozando de plena saúde e feita preferencialmente com acompanhamento de instrutor e/ou em parceria e com atenção ao aos limites pessoais. 
É indicdo começar com dois minutos diários; você poderá aumentar um a cada dois dias até chegar a oito minutos por dia.